Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sábado, 23 de abril de 2016

Um sábado tranquilo e minha recusa a "certos" convites!

Boa noite gente!!!
Ontem assisti filmes, depois dormi como uma pedra!
Acabei desmarcando o salão, minha cama me implorou para ficar.
Sou o tipo de pessoa que adora ficar em casa, tenho tudo de um agorafóbico, menos a fobia...Risos...
Estava, à tarde, assistindo NCIS e um pretenso cliente me manda foto do pênis dele, após me pedir fotos. Neguei, obviamente. Arre, gente, eu não ganho nada pra ficar me dispersando do seriado, tirar a camisola e mandar fotos pra um cidadão se masturbar né?! Se deseja isso, me passe/deposite o valor.
Eu não estou fazendo o que faço só pelo dinheiro. É por prazer, é porque eu gozo e gosto, mas também há limites para certas coisas. Eu gosto de sexo, não de ficar conversando no whatts para o cidadão se masturbar, né?! 
Está com vontade? Me liga e marca, simples! Diversão garantida, pra você e, sobretudo, pra mim.
Ah, sábado passado fui ao Bier Fass no Lago Sul jantar, lá fui abordada por um homem que estava mais pra lá do que pra cá na bebedeira. Disse que se apaixonou e fez mil promessas, fomos ao Dudu Bar e lá o deixei e vim de Ubber pra casa depois de um drink. Não ando em carro de pessoas alcoolizadas e nem faço sexo com elas. Ainda que me paguem muito bem.
Pois, o cidadão me contatou ao longo da semana. No feriado queria que eu fosse conhecer um amigo dele que tem uma “super lancha” e etc.. Almoçar num restaurante que “até o Lula vai” e etc.
Inventei que estava mal do estômago. Ontem o mesmo ocorreu. Hoje também. Eu evito esse tipo de situação, primeiramente, porque é um convite “amigável” e não um programa com pagamento antecipado. Ou seja, não é negócio e há o risco de surgir uma “friendzone” (o cara me paparica para ganhar sexo gratuito comigo! Muito comum isso!...E eu escapo ilesa de todos!)
Não conheço essas pessoas e nem confio. Podem “batizar” minha bebida e coisas afins. Ofendido o cidadão mandou whatts cheio de “mimimi” dizendo que apesar de eu ser “linda e maravilhosa” deveria cobrar menos, pois o País está em crise e as meninas cobram R$ 150,00. Risos...
Típica atitude machista de quem acha que levou um fora. Eu não dei fora nele, nem nos amigos. Eu só não sou obrigada a sair de casa para ir à lancha de estranhos fazer nada e exibir gratuitamente o meu corpo! Risos...Está lá na Constituição Federal eu não sou obrigada a nada!
E sei de meninas que foram abusadas nestas situações. Só pensaria em ir com depósito antecipado de dinheiro. Simples! Então comunicaria a um amigo policial de quem foi o depositante e que eu iria acompanha-lo numa tarde em alguma lancha e tal.
Eu não nasci ontem e não sou hipnotizada por dinheiro alheio, poder, luxo, lanchas, bebidas e boa comida pagas por estranhos. Eu mesma banco isso na paz do meu lar ou na tranquilidade de um bom restaurante ou bar, como fiz sábado!
Enfim, Simone não é tolinha!
Bom sábado pra vocês seu lindos, vou assistir CSI e Criminal Minds agora...
Beijos,

Simone S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário