Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Atendimento DELÍCIA pra encerrar o feriado e a abordagem mais tosca do dia!

Eis que eu e um assíduo e adorável cliente dormiríamos juntos, mas postergamos para um longo encontro diário amanhã! Hoje o dia transcorreu entre o dolce far niente, telefonemas de especulação de valores (tem quem tenha dificuldade de ler nos sites que há meu anúncio, porém o valor está lá!) e Whatsapp de um cliente conhecido e de uns cidadãos sem noção! Um deles perguntou se eu "valia a pena" o que cobro e se "isso (alguém gostosa e de classe) seria possível na Vila Planalto"! Ha-Ha-Ha! Confesso que eu, sempre tão bravinha, ri litros da estupidez do sovina, preconceituoso e sem educação rapaz! Coitado, não sabe ele o que perde e não faz parte do meu show me gabar! Aqui está o blog, no GP GUIA DEPOIMENTOS DE CLIENTES MEUS, entrevistas jornalísticas, porque eu vou narrar meu desempenho né?! Me poupe! Moro num condomínio residencial super confortável, novo e bonito, ao contrário de muito muquifo que tem na região sudoeste. Não à toa pago quase 2.000 num apt. de um quarto aqui onde resido, todavia, de mentecaptos deste estilo, prefiro distância! Eis que, pela primeira vez, em 45 dias trabalhando como cortesã, aceitei atender a um cliente em torno das 23:00Ele me ligou uns 40 minutos antes, estava saindo de um jantar de negócios e eu, confesso, estava como passei o dia: deitada e de camisola. Tomei banho, me vesti elegantemente, como sempre, e fui até o chiquérrimo hotel onde o homem, visivelmente educado, rico e de bom gosto estava. Percebi isso (sua finesse), porque quando me ligou, deixou claro que o diferencial de eu não me expor em fotos vulgares nua ou ginecológicas lhe excitou, assim como o cabelo curto e a notória cultura e currículo acadêmico. Este é meu tipo preferido de homem: os discretos e requintados são os mais quentes e bons de cama! O cliente era, de fato, educadíssimo, gordinho, rosto lindo, faixa dos 35 anos, PHD na área dele, divorciado, residente nos EUA e estava inspiradíssimo no meu aguardo.. Ele me contratou por 1 hora e meia. Chegando lá, me beijou vorazmente (seu hálito cheirava a licor de cassis...adoro!), ergueu meu vestido, sentiu-me molhada e me fez gozar em suas mãos, uma, duas, quatro vezes! Momento no qual me virou contra a parede, tirou minha calcinha, se abaixou e lambeu minha buceta e anus com fome! Enfim, com um desejo insano! Jogou-me de bruços na cama. Disse para ele pegar a camisinha, afinal percebi que estava com o pau duro, duríssimo! Se despiu e me mostrou seu pênis enorme e grosso com orgulho. Chupei-o até colocá-lo todo na boca, então ele colocou a camisinha e me penetrou de costas enquanto beijava meu pescoço e minha boca. Chupava minha língua. Tocava meus mamilos! Me fez gozar a tal ponto que sentia a minha "quentura" apesar da camisinha. Resolveu, então, tira-lá, e deitou-se contra mim para, novamente, chupar minha buceta. Assim, chupei seu pau como pude de novo. Quando coloquei-o todo na minha boca "explodiu" na minha garganta. Como sempre, engoli tudo e ficamos o tempo restante conversando sobre literatura, seriados, relacionamentos, misoginia e machismo (cultura do estupro, inclusive!)! Foi um arraso e ele disse que sempre que vier ao Brasil irá me ligar! Me vesti e voltei pra casa, faminta! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário