Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sexta-feira, 13 de maio de 2016

CORRERIA E SEXO BOM: SEXTA-FEIRA, LINDA!

Boa tarde gente linda!!!!

Hoje foi um dia agitado em ocupações, ligações e confortável em atendimentos.
Pela manha fui ao Carrefour Bairro aqui da Asa Norte comprar umas coisas boas para comer no final de semana. Às 11 horas eu havia marcado para fazer as unhas aqui na Vila Planalto mesmo. Segunda vez que eu “adentro” no bairro. Como o salãozinho é ao lado do restaurante Fogão de Pedra, aproveitei e peguei, literalmente, 1 Kg de comida lá para almoçar.
Sou fissurada por cozinha mineira, em segundo lugar vem a baiana. Adoro pimenta!
Pela primeira vez minhas unhas foram feitas por um rapaz! Um jovem homossexual chamado Rafael! Mãos mais delicadas do que de muitas mulheres. Aprovei!
Mal cheguei aqui em casa e um cliente que conseguiu um espaço na agenda veio. Já é cliente. Bonitão, gostoso e tarado, tem tara por sofá. Muitíssimo bem dotado de tamanho, largura e atitude! Convenhamos que tem homens que só tem tamanho e não sabem nem usar! Ele me disse que o melhor anal que fez foi comigo (nas palavras dele “o melhor cu que comi”). Se segurou bastante desde o primeiro oral (a gente sente na boca), depois transamos normalzinho e o tal do anal! Terminou na minha boca. Esse sabe se segurar! Fiquei lisonjeada com os elogios, pena que ele não tem disponibilidade financeira para vir toda semana.
E, para encerrar à tarde com chave de ouro, atendi meu cliente cativo de covinhas e olhinhos puxados! Aquele que me dá presentes e paga mais do que os demais. O causador do inflacionamento da Simone. Tivemos uma transa com tudo o que temos direito! Sexo oral mutuo, anal e, encerramento na boca.
Ah! Estava esquecendo: início da tarde um cidadão do MT que está aqui me chamou. Começou com um papo de “sou formado em agronomia pela Univag, você é formada em Direito e mimimi” e partiu pra uma frase tosca do tipo: “Pois é, como você foi parar nessa vida?!” Chamei a pergunta de idiota, pedi licença e bloqueei.
Ah, porque eu gosto né criatura?! E, também (faltou isso), porque tive o azar de só ter me relacionado com macho ignorante, grosso, machista e burro como você. Mas, não disse, não preciso dar satisfação pra homem preconceituoso.
Preconceito velado: tenho nojo! Como foi “parar nessa vida”! Ha-Ha-Ha! Oh, queridinho, eu não sou prostituta do tipo que transa com qualquer um que paga, não! Eu me divirto, então “essa vida” é uma delicia e eu só me relaciono, 9 em 10 vezes, com homens cultos, lords e que sabem o que falam. O resto eu dispenso, como foi o caso do metidinho a gostoso do inicio da tarde.
Caramba! Custa entender que essa profissão me diverte? Que tenho mais orgasmos com qualquer cliente em 40 minutos do que já tive com qualquer homem metido a apaixonado? Tanto é verdade que FAÇO O QUE FAÇO POR PRAZER, QUE REFUGO O ATENDIMENTO DE NO MÍNIMO 2 HOMENS POR DIA. Homens que me abordam com elogios toscos (“oi gostosa!”), homens que perguntam (“oi amor, quanto é o programa?”- Amor? Bebe? “Seje menas” né amiguinho?! Não me chame assim!), homens que pedem fotos intimas, homens que falam errado, homens que pechincham e homem estupido que quer ser “amiguinho” e fala merda, como foi o caso do sujeito do MT.
Bem, agora vou fazer a “contabilidade” (o ultimo cliente pagou a mais) e descansar! Geladeira cheia, vinho gelando: #partiudescanso!
Beijos de luz!

P.S.: Meu note voltou, estou usando um teclado no USB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário