Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

segunda-feira, 9 de maio de 2016

"DESVIRGINANDO" NO SEXO ANAL...

Boa tarde povo! Eita manhã corrida! Fui receber a primeira das 4 parcelas do seguro-desemprego atinente a minha demissão da universidade em que lecionei. Depois fui numa gráfica mandar fazer cartões de melhor qualidade. A primeira gráfica que me atendeu é relapsa no atendimento. Em Sorriso eu aceitava atendimento ruim, porque não tinha opção. Aqui tem várias, não existe porque tratar clientes com descaso e depois reclamar da "crise" e colocar a culpa do Governo. Ah não, né?! Acho que semana que vem eles chegam! Essa semana tem encontro de prefeitos aqui, me sugeriram sair e distribuir cartões, mas, sinceramente não tenho entusiasmo para expor minha figura neste meio atualmente. Depois da sessão horrenda da câmara anulada hoje eu ando com medo desta raça (políticos). A exceção do Glauber Braga e de poucos que não enchem uma mão. Ah, o lindo do Lindbergh Farias deveria saber que sou fã dele! Risos... Na verdade, gosto de pessoas inteligentes e cultas né?! Isso é exceção na política pátria: Oratória excelente existe, mas o conteúdo do discurso é nauseante. Todavia, não me importo nenhum pouco que os membros da AGU me procurem insanamente! Acho horário pra todos! ... Risos! Comprei um Concha y Toro carmenere para tomar a noite! Estou feliz hoje! Às 13:30 atendi um cliente músico, bonito, simpático e educado que reside no Rio de Janeiro e trabalha para um dos meus cantores favoritos! Ficamos até 15:30 juntos. Uma tarde excelente! Ele NUNCA TINHA FEITO SEXO ANAL na vida! É jovem e está casado há 10 anos! Ora, excelente beijo, bonito, boa pegada e ótimo anal, não titubeei em "desvirgina-lo" neste quesito! Gozei umas 4 vezes só no anal e depois fiz sexo oral nele. Acabou gozando na minha boca e ficamos conversando mais um tempo sobre esse quadro de intolerância, radicalismo e "divisão" política do Brasil. Hoje enquanto aguardava meu motorista do Ubber comi um kibe delicioso num ótimo local, ouvindo a nota do presidente interino da Câmara que acatou em parte o perfeitamente bem fundamentado pedido de anulação da sessão que deliberou acerca do impeachment dei uma gargalhada por concordar com o argumento do deputado, a exceção dos que ele rechaçou e acho pertinentes (argumentação inidônea juridicamente na exposição do voto, por exemplo), quando o moço que me atendia, de forma xenofóbica diz: "Maranhão é Maranhão". Gente, o que é isso? A que ponto chegou a falta de razoabilidade popular. Enfim, me apavora esse desrespeito latente entre as pessoas. E se eu fosse maranhense? A esposa do meu pai é, minha irmã Maria Clara também! Não é à toa que fascista se torna ídolo neste País! Lamentável! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário