Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sábado, 14 de maio de 2016

DOS PARCOS CLIENTES DE ESQUERDA E O FEMINISMO!

...
Conversava recém pelo WhatsApp com um cliente e, praticamente, amigo (mas, não desses chatos que ficam puxando assunto tosco! Nós só conversamos sobre política, religião e coisas afins como amigos e transamos quando ele pode vir e paga os R$ 500,00 pela hora, sem mimimi!) sobre a posição politica dos meus clientes. 
Segundo ele, homens de esquerda não gostam de sair com acompanhantes, porque acham que isso macula o feminismo. Bem, apontamentos about: homens, o feminismo não é para vocês, certo!? Vocês não servem como “feministos”, basta não serem machistas, quem define o que avilta o feminismo ou não somos nós, mulheres feministas. 
Aliás, como feminista digo mais: sua visão, querido esquerdista radical, é machista! O feminismo deu a mim e a todas as mulheres o direito de fazermos o que bem entendemos das nossas vidas e corpos. Eu, uma mulher muitíssimo bem resolvida, resolvi virar escort de luxo. Gosto de sexo e acho que nenhum homem mais vale uma transa gratuita comigo, afora isso eu não quero e nem preciso de relacionamento amoroso, pelo contrário. Óbvio que essa Cláudia de hoje é uma construção intelectual, moral, afetiva e psíquica. Eu não fui sempre “assim”, portanto. Ou seja, se sou acompanhante é porque isso me faz feliz e nenhum pseudo-feministo de esquerda tem o direito de fazer juízo de valor sobre isso. Simples! Tem dinheiro pra pagar? Gosta de sexo bom, sacana e de uma conversa excelente depois? Sinta-se à vontade, a Simone está aqui. Mas, por favor, se desapeguem de estigmas! Eu faço o que faço porque gosto do prazer e, obviamente, do dinheiro não suado e bem gozado... Risos... Não façam elucubrações tolas e, até, preconceituosas e machistas achando que estão sendo mais “dignos” com elas. 
Aliás, sempre fico boquiaberta com os machinhos que dizem que “não gostam/não fazem sexo pago”. Os mesmos tolinhos que enchem as menininhas de vodca em festas e “pegam” a desconhecida em seguida e semi-alcoolizada. Pagou dinheiro? Não, comprou com álcool. Ou com “mimimi” cantadinha, “mimimi” eu sou “doutor e dirijo uma BMW”. Enfim, acredite bonitinho, de formas diferentes, mas você já pagou por sexo sim. Talvez mais barato, talvez com quem se venda por futilidades, mas pagou. Sinto lhe informar. 
Talvez seu medo seja ter um encontro frio com a acompanhante, mas os meus costumam ser calorosos, descontraídos e animados. Só não são assim quando o cliente é um bobinho retraído, mas, como comigo não tem fingimento, a frustração fica estampada sem disfarce no meu lindo e rosado rostinho.
 Aliás, eu faço questão de comunicar, após a pseudo-transa, que se você pretender ser sempre “assim” deve procurar outra guria. Não serviu pra me fazer gozar, dispenso o cliente. Cara, eu gozo muito fácil, tem que ser muito inapto para não me fazer gozar ao menos uma vez né?! Só tive dois clientes assim! E, certamente, eles não voltarão

Vocês, provavelmente não conhecem esse clássico do pop-rock-sertanejo-cult gaúcho! Lhes apresento...Sem mais!

Não creio em paz sem divisão
De tanto amor que eu espalhei
Em cada céu em cada chão

Minha alma lá deixei...

Nenhum comentário:

Postar um comentário