Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

terça-feira, 31 de maio de 2016

SOBRE OS COMENTÁRIOS EM POSTAGENS AQUI DO BLOG: RECADINHO!

Pessoal entra aqui, faz comentário esdrúxulo, cheio de raiva, de fel, de ódio e sentimentos miseráveis e ainda reclama que a moderação não lhes disponibiliza: qual o problema de vocês? Queridinho, senta aqui, vamos conversar: ESTÁ É UMA PÁGINA QUE DEVE SER LIDA por quem gosta de sexo, por quem simpatiza com a dona, por quem não vem com papinho mimimi broxante criticando um mísero erro de português ou coisas imbecis afins. Gente, eu passo os olhos e deleto, nem termino de ler comentário azedo, não! Quer que eu publique, responda e entabule uma discussão com um "não sei quem e nem me interessa" que se esconde no anonimato para destilar ódio e recalque? Me poupe né!? Adquira um cérebro, decência e estima por si mesmo que é melhor. Afinal, quem vocês pensam que são na “ordem do dia”? Na ordem da minha boa, bem resolvida e deliciosa vida? Acham que vão me magoar, me ofender, me fazer mudar de ideia e me tornar uma hipócrita infeliz e desocupada como você? Que perde seu tempo lendo o que “despreza” e criticando?! Cara, você não sabe nem o que fazer da vida e é tão antinômico e sem noção do ridículo que entra em página de quem odeia ou sobre o que odeia para criticar. Faz-me rir, e só! Me poupe, se poupe e nos poupe da sua idiotia, vai rezar o terço, se ajoelhar no milho e etc.! Toma vergonha na cara ou vai tocar punheta, será mais útil! Obrigada, povo horrendo! 

2 comentários:

  1. É flor, o que mais prolifera em comentários são aspirantes a Periquitos e Pseudo-Cristãos doidos para fazer a Marcha da Família com Jesus. Mas as palavras de ódio são ditas pela inveja constante de não conseguir se libertar das amarras desta cultura podre. Eles me lembram o Coronel Frank Fitts de Beleza Americana, ou o Bobby Brown de Frank Zappa....rsrsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Leandro! São aqueles que julgam quem comete pecados diferentes dos deles, para, assim, esquecerem-se da própria vileza e insignificância! Cazuza fez uma música para tais páreas: https://www.youtube.com/watch?v=Zrk0kmFYE8E

      Excluir