Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

domingo, 22 de maio de 2016

Sobre sexo e minha visão política na capital nacional! 🌹


Ontem cheguei num tradicional e belo hotel atender a um cliente que, eu já havia percebido, é extremamente inteligente, culto e rico. Elite mesmo, desses que estão no 1% da população. Chegando lá, ele que assistia à Globonews (Pah!!!), diminuiu o volume e sentamos num sofá para dialogarmos. 
Ele havia lido uma reportagem, matéria jornalística ou algo assim sobre mim. Começamos a conversar e, não sei porque cargas d'Água, enveredamos para o assunto da política, ao ver minha nauseada cara frente à algumas afirmativas convictas de sua parte ele disse o que muitos pensam: "Você é petista né?!". 
Antes que eu respondesse ele me disse que elegeu Dilma e Lula duas vezes, que sempre foi esquerda "mas que"... O papo seguiu, mas logo findou. Não consegui elucidar-lhe sobre o meu posicionamento partidário (apartidário, no caso), vez que ele se inspirou e logo eu soltei um: "Você quer conversar ou dar discurso sobre política?" (Sim, eu falei!). 
Mudamos de assunto, portanto. Fato é que eu não pude dizer a ele que não sou petista. Só votei no Luis Inácio, porém nunca na presidente eleita e, agora, afastada. A  administração dela me frustrou sempre, todavia, não ser petista não me faz PMDBISTA. Não ser petista não me faz elitista. Não ser petista não me faz rica, milionária ou elite. Não ser petista, também não me faz parcial. Eu não sou parcial! Eu odeio corruptos. E conheço minimamente a Constituição e as leis. Sou pró-democracia. Sou pró-imparcialidade midiática e judiciária, e não vejo isto neste País. 
Roberto Marinho virou doutrinador político e econômico, Moro luta apenas contra quem não se afina com ele. É um parcial fiasquento (se você não estudou Direito por 16 anos, como eu, se você não sabe nada sobre processo, continue silente). 
Sou contra a implicância com programas baseados na CF/88 e na redução de desigualdades sociais. Sou contra bater panela em face de benefícios dados às minorias e pobres. Sou contra fazer vista grossa face à roubalheira de alguns e perseguir outros. Sou contra tirar do poder uma mulher que não é corrupta (se Lula é investiguem e prendam-o!), apesar da falta de carisma. Sou contra o golpismo. 
Sou contra manter um vice presidente desonesto e à mando de um gângster ladrão (e gênio, não nego! Todo psicopata é inteligente!) como presidente interino. Sou contra chamar de ídolo um juiz que advoga para quem é dos "seus". 
Sim, frente à uma direita elitista e fascista sou de esquerda, mas não, eu não sou partidária! O problema não é a minha visão crítica, meu amigo. O problema é a sua visão tacanha que diz que pessoas contra o impeachment são petistas. Você que radicaliza por ignorância e bestialidade. 
O problema é você, pobre pró-direita que não compreende a diferença entre imparcialidade e senso crítico de partidarismo (petismo). Não me estigmatize com base na sua limitação intelectiva. Não tenho culpa se você divide o mundo em "petralhas" e "coxinhas". Não tenho partido, eu só estudei e li demais na vida para anuir com certas coisas. Simples assim. 
Pra mim, pra você não me interessa! Pense como quiser, mas não coloque palavras na minha boca ou sigla partidária onde só existe razoabilidade e lógica. (Essa indireta não é para o meu excelente cliente que argumenta de forma plausível e em favor de seus interesses. Essa direta (não indireta) é pra você que acha que ter um restaurante, uma lotérica, uma loja de produtos agrícolas ou algo assemelhado lhe torna elite!).

2 comentários: