Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Tarde literária: um presente, shopping, mais livros e chopp!

Boa noite povo lindo! Começo lhes dizendo que continuo sem internet no note, não tive tempo de receber o técnico, sequer de reclamar para a administração do meu condomínio. Tenho um "pacto" com um cliente cativo: sempre que eu lhe atender, não atendo nenhum outro, por isso ele pagará o horário dobrado. Ele é prazeroso do corpo a alma, logo eu não poderia jamais recusar a oferta. Via de regra o "nosso" dia é sexta (a tarde), hoje pela manhã ele pediu se podia vir a tarde deixar "algo" pra mim, disse que sim, mas quando lhe respondi eu já havia atendido no motel outro cliente assíduo. Ele disse que viria apenas trazer o que queria. Em torno de 14 horas, estava eu com roupa de ficar em casa após aquele longo banho (daqueles que loiras precisam para passar produtos nas melenas) e ele chegou com um presentinho! Um livro! ❤️ Como outro dia falávamos de psicopatas ele me trouxe a última versão do clássico "Mentes perigosas"! Ficamos no sofá da sala conversando! Beijos, abraços! Para dispersar o tesão, meu especificamente, até porque não poderia "estupra-lo", mostrei fotos do Zeus e do Pequeno Bolota, vídeos que tenho da Maria Clara, minha maninha! Ele é um fã da minha mãe e apoiadora! Já lhes contei que mamãe se dá bem com meu pai e nova esposa? Mais: minha irmã chama ela de tia e a ama! O amor é recíproco. Enfim, após ele ir embora, resolvi passear no Park Shopping procurar um biquíni para ir ao clube. Acabei comprando mais dois livros (postei as fotos no meus face, aqui não posso fazê-lo do celular)! Resolvi comprar um biquíni comportado para usar no clube e ir numa clínica tomar sol natural com fitas. Sempre achei vulgar, mas pelo menos assim minha linda bunda não será "visualmente rebaixada" com aquelas marcas de biquíni de senhoras idosas conservadoras que vendem por aqui e que, não nego, são mais elegantes em ambientes públicos. Em Sorriso eu tinha piscina em casa e lá me bronzeava! Liberdade total! Aqui não. Já marquei para domingo cedo o bronzeamento natural com fitas! Passeei um pouco mais, me associei na livraria FNAC, terminei tomando 3 chopinhos no Pinguim da área gourmet e comendo sanduíche de filé mignon (o clássico), após marquei com um cliente do MT para amanhã à tarde, recebi ligações do meu papai e da bebezona (minha irmã) e liguei para a mãe. Agora vou assistir Criminal Minds! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário