Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Crônica às mulheres: das bolsas caras às vaginas. Sobre respeito, consideração e empoderamento.

...Mulheres, o que vocês estimam mais: a bolsa que a sua amiga lhes deu ou vendeu por menos da metade do preço, porque ganhou uma igual ou aquela importada de valor de 4 ou mais cifras que você escolhe a dedo na loja?
Cada um na sua, mas com raríssimas exceção será a segunda hipótese a “escolhida”.
Com sexo o negócio é praticamente idêntico. Não pense que seus homens não valorizam as acompanhantes. As caras, as de custo mais alto, tenham certeza, eles valorizam e respeitam muito. As baratas eu não sei, já que, aqui em Brasília me acham cara. (Eu acho que sou baratíssima). De toda forma, todas merecem respeito e consideração. Eu falo de mim, porque atesto o que vivencio, quanto às demais, não sei.
Deixem de lado pré-conceitos e preconceitos que você tem com uma vida que você não faz ideia de como é. Existem agruras e riscos? Nas melhores coisas da vida existem queridinhas, exemplo disso é a realidade de todo militante combativo da área criminal do Direito.
Se a gente quiser segurança de verdade deveremos nos trancar num calabouço e engolir a chave. O mesmo que disse o House quanto a não ser magoado. Não conviver com pessoas é a melhor forma de não se desapontar com elas. (Não nego que eu venha sendo um tanto assim quanto a minha vida afetiva, mas isso é problema meu. Eu não tenho “coração de gelo” como alguns dizem, eu tenho é cansaço afetivo e preguiça de sofrer. Só isso).
Bem, a questão é que existe um excessivo tabu em torno da minha nova profissão que assumo sem medo algum. E isso, em pleno 2016, este fato me deixou estarrecida. O quanto as religiões e os preconceitos inerentes a elas vem crescendo também me apavora. E fazem com que muitas garotas de programa menos afortunadas que eu fiquem à margem da sociedade e da Medicina: cuidados ginecológicos e psicológicos, informação, leitura e etc. todas precisam, muitas não podem bancar. E elas precisam pelo fato de serem mulheres, seres humanos em situação de risco que não fazem nada ilícito.
Gente, eu não estou roubando ninguém, assim como estas garotas. Eu não estou enganando ninguém, eu não digo que amo pessoa alguma, eu não tenho interesse nas finanças de ninguém, eu não estou querendo dar o “golpe da barriga” (no qual só a mulher é golpeada tendo a vida inteira de abdicações em prol da sua cria), eu não faço nada de desonesto. Pelo contrário, eu converso, eu ouço, eu apoio e até ajudo muitos homens. Muitas pessoas, graças a este blog que, no fundo, quer o empoderamento feminino, mas que muitas não entendem e preferem destilar fel e ódio. Pra si mesmas né?! Porque eu me lixo pra isso.
Eu não sou casada, se fosse eu não estaria nesta profissão, porque sou intensa demais pra namorar ou viver com alguém e transar com outros. Ademais, eu não acharia nada admirável um cidadão que permitisse isso, consequentemente não iria me apaixonar. Pra haver paixão precisamos admirar minimamente ao outro!
Enfim, é só uma profissão querida! Tem atenção, tem papo, tem afeto, tem calor humano. Tem hora pra começar e teoricamente pra acabar! Tem toque, tem boca lá, lambida aqui, tem gozada na cara, na boca, dentro da camisinha no ânus, do fundo da vagina. Sim, tem tudo isso, mas desonestidade não tem. Vergonha menos ainda.
E, sabe por que eu não tenho vergonha? Porque eu sou a bolsa cara que você economiza pra comprar e se realiza quando a “dependura” em você. Eu não sou a “emprestada”, a “ganhada”, a gratuita, aquela que se “descola” no final da noite alcoolizada para o cara que de útil na sua vida só vai deixar alguns orgasmos. Se deixar!
Fazer sexo é bom, fazer sexo por dinheiro, pra mim, é melhor ainda. E eu não estou incentivando ninguém a fazer o mesmo. Eu só estou incentivando a todas as pessoas a pensarem, questionarem e deixarem a sua hipocrisia de lado, porque opiniões, crenças, religião e credo são como pênis: você pode ter, mas querer “enfiar” à força nos outros, você não pode!
Parem de achar que chamar a "coleguinha" de puta é ofensa. Não é baby! Triste é ser chamada de infeliz, desocupada, recalcada. Já falei "infeliz"? A puta que dá em troca de dinheiro ou a "puta" que "é" aquela com quem o seu namorado flerta e  lhe desrespeita (ele, não ela!), não são infelizes. A puta que esfrega gratuitamente a pepeka em barbas alheias a cada sexta-feira faz o que gosta. A que sobra R$ 100,00 também. 
Enfim, ser puta não é feio menina! Feio é o seu preconceito, feia é a sua ira, a sua frustração, o seu recalque. Feio é fingir orgasmo, feio é "fazer pra agradar", feio é enganar! 
Guarde seu preconceito para si ou leia, evolua, mude! O mundo não é o seu umbigo. Não me apedreje, porque meus pecados diferem dos seus. Porque pecados, amiguinha, eu sei que você tem!

Beijos de luz!

10 comentários:

  1. Caracaaaaaaaaaaa Cláudia! SEM PALAVRAS. Esse texto disse tudo as vezes fica engasgado na minha garganta. Beijos de luz pro recalque kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jéssica! Compartilhe até chegar nos hipócritas! kkkkk! Beijos de luz!

      Excluir
  2. PARABÉNS pelo texto! Muitas pessoas precisam ler, reler, "reeler", e refletir muito!
    Parabéns por vc existir e expressar todo esse sentimento que existe em vc. Obrigada por tudo isso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, quer me fazer chorar criatura? Muito obrigada! Seguimos na luta por um mundo com menos hipocrisia e mais pessoas felizes e bem resolvidas! Beijos e obrigada de coração!

      Excluir
  3. Parabéns.. Não esperaria outra replica tão bem escrita como esta.. E penso exatamente igual e ajo também só não cobro..sou do time das que faz porque gosta da coisa .. Mas também me considero " a bolsa cara" e sou muito bem recompensada por isso.. E tens minha admiração e respeito e o resto aceita que dou menos para as recalcadas.. Beijos de luz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Tatiana! Como só pude responder hoje, uma sexta-feira, agradeço ao elogio e digo: um brinde às bolsas caras! Super beijo!

      Excluir
  4. O que aprendi até hoje que conceitos pré concebidos, não formam caráter, não transformam pessoas, pelo contrário os tornam cada dia mais desumanos em pleno 2016, bem observado ao dizer. Nunca deixarão de ser conceitos da perspectiva daquilo que cada um considera como sua verdade. ODEIO CONCEITOS PRÉ CONCEBIDOS. Bjs sua lésbica favorita!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Bia. Conceitos pré-concebidos geram fascistas. Homofóbicos. Preconceituosos. Fiscais de cu e de b***** alheias. Gente que esquece que a moral está no coração e na atitude não nas nossas partes íntimas ou no que fazemos com elas. Beijos!

      Excluir
  5. Estou chocada , literalmente amei e fiquei sem palavras rs
    Sou estudante de direito e sigo uma pagina no face que compartilhou sou historia fiquei bem curiosa para saber e vim pesquisar . Bom concordo com tudo que você falou , faço e falo do mesmo jeito , você é apenas você , não precisar ser uma coisa que não é para agradar essa "sociedade hipócrita" que vivemos . Também me considero sem soma de duvida "uma bolsa cara" , pq bolsa barata para mim são essas pessoas hipócritas , invejosas que falam mais no fundo queria ser igual . O fato moral é umas das características do ser humano por que ela comporta o que DEVE SER.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir