Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quarta-feira, 8 de junho de 2016

DE POA À CAMPINAS/SP: dos incontáveis orgasmos ao luxo e a excitação pelo novo cliente paulista!



Boa noite  gente linda! 

Ufaaaa! Terminei descendo em Campinas/SP vez que tenho um cliente aqui amanhã. Lord e de extremo bom gosto colocou-me numa suíte super luxo no Royal Palm Plaza Resort. 
Uma delicia de mimo após horas desperdiçadas no aeroporto da boa, velha, linda e fria capital gaúcha. Sendo o cliente comprometido apenas amanhã me dará a graça da sua presença. 
Meu encontro com o cliente em Porto Alegre foi excelente! Nos encontramos no aeroporto, fomos juntos para o hotel! Transamos e ele foi trabalhar. Lembram-se de um cliente do Nordeste, alto, loiro, jovem e que parecia ter saído de um filme americano que atendi na minha casa em Brasília há mais de um mês? Era ele! O sexo entre nós é realmente estrondoso! Algo que "fecha" e ferve! 
Sexo com confiança e devassidão. Esta é a parte mais deliciosa de ter clientes fiéis. Sexo despudorado, ao contrário de casamento, melhora com a prática e intimidade! Pois  transamos com direito a anal e oral em quase todas as transas. Ao chegarmos no hotel ele comeu meu cuzinho com saudade, mais tarde após eu ir ao shopping e ele trabalhar e antes de irmos aperitivar cervejas artesanais (Porto Alegre e sua noite deliciosa!) de novo, depois ao voltarmos mais uma transa perfeita (precisamos dormir sobre toalhas de tanto que gozei via squirting) e, obviamente, pela manhã antes do café fizemos aquela boa foda para passar o dia com a tez maravilhosa e zero make! 
Ah, ontem no shopping comprei um batom matte da Dior formidável! Não resseca os lábios! Comprei um gloss e um lápis pra olho que está no meu olho até agora! Ah, comprei um perfume novo da Dior cujo nome tem tudo a ver comigo: Poison Girl


Genteeeeee! Vocês não acreditam! Ainda tem criatura pobrezinha mandando mensagem me chamando de feia, magra, bunduda, ridícula, imoral! Ha-Ha-Ha! E eu aqui me masturbando dentro da banheira pensando no cliente que me hospedou nesse paraíso de hotel, que tem uma voz deliciosa, e, tudo isso, depois de ter gozado umas 65 vezes de ontem pra hoje, me achando linda e gostosa (sim, eu me acho e sou, problema seu se eu lhe dei fora, se você é chato, se não pode me pagar ou se é mais uma mulher recalcada que tem que dar de graça, porque se cobrar nem presidiário paga). Parem queridos que tá feio! 

Minhas pernas são finas e firmes sim, minha bunda é redondinha e durinha sim, meus peitos são naturais, grandes e firmes sim, meu olhar é marcante e minha boca carnuda e grande! E eu me amo e não mudaria nada em mim! Absolutamente nada! Chupem, recalcadinhos! 

E podem continuar tentando me ofender, o seu recalque bate no meu lençol lavado de gozo, no meu bom humor, alegria de viver, pele macia e finesse e volta pra você em forma de celulite, rugas, insegurança, TPM e dívidas bancárias

Beijos de luz! Luz, você precisa! 

4 comentários: