Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Sobre a madrugada de sexta-feira e o dia da preguiça! (DICA PARA COMENTÁRIOS),

 Boa noite tarde gente linda!

Terminei jantando e tomando um vinho com o pretenso cliente/amigo ontem no Feitiço Mineiro, acabamos acertando o cache de uma hora e viemos para meu apartamento. Ele é um quarentão solteiro, bonito, charmoso, inteligente, excelente pegada, dedos, língua, pênis e atitude!
Bebemos, porém mais vinho aqui em casa, o sexo foi devasso e afetuoso ao mesmo tempo, mas a ressaca e o sono imperaram hoje!
Dormi até tarde, demorei a responder muita gente. Infelizmente meu cliente cativo não pode vir, uma pena, ele alegra minhas sextas-feiras com seu humor e inteligência!
De toda forma, tive uma indisposição gástrica provavelmente pelo excesso de vinho da noite anterior e não trabalhei, apenas caminhei pelo bairro atrás de casas, fui à farmácia, reabasteci o estoque de preservativos escolhendo os que deixam o membro protegido, porém mais sensíveis.
Sou fã de farmácias! Risos... Adoro os produtos. Prevenida já comprei um gel pós sol e o bepantol derma que sempre uso, mas havia acabado. Lábios hidratados são essenciais e pele bronzeada idem!
Agora estou, lamentavelmente preocupada! Meu gatinho Pequeno Bolota está pesando 5,5 Kg. Precisa emagrecer meio quilo até quarta, dia que mamãe e minha tia chegarão aqui. Ai, meu Senhor!
Bem, meus caros, volto ao meu dolce far niente!
Já lhes aviso que de segunda pela manha até inicio da tarde de terça-feira estarei em Pirenópolis/GO, aproveitem este findi!
AH, GENTE AGORA USUÁRIOS COM CONTA NO GOOGLE PODEM COMENTAR À VONTADE! Beijos!

Beijos de luz! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário