Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

terça-feira, 28 de junho de 2016

TERÇA: MAIS UM CLIENTE DELICIOSO E ANAL IDEM À NOITE...

...Ontem à noite um cidadão (não posso dizer a profissão) me contatou dizendo que hoje estaria aqui e que gostaria de ter a minha companhia das 22 às 24 horas. Deixamos pré-agendado, em que pese, não nego, eu não confio muito em pré-agendamentos! Existem muitos homens delirantes que prometem, até querem, mas não podem cumprir ou ter!
Eis que, às 20 horas ele me liga e pede para eu ir “o mais rápido possível” até o hotel, onde ele está. Tomei banho, passei batom, meu rímel e meu lápis (super resistente a água, da Dior! Não quero ostentar, quero apenas dizer: é um pouco mais caro que os nacionais, mas dura 1000 vezes mais que um!) e fui. Sorte que não sou dada a base, corretivo, pó, sombra e etc., acho que em menos de 30 minutos eu estava chegando para “socorrer” ao “menino”.
Ao chegar lá, o cliente charmoso ao extremo, de terno, óculos de grau, olhos azuis e pele suavemente bronzeada (férias no exterior com sua família de comercial de margarina) estava tomando um whisky para “relaxar”. Narrou-me como foi o seu dia, negócios e etc.. Serviu-me uma taça de vinho tinto carmenere, pois leu em algum lugar que eu gosto mais desta uva. (Parece-me que me viu no Instagram também, quando meu perfil estava “aberto”).
Tocava suavemente minhas mãos, beijava-as e passou a me indagar sobre a minha vida. Como gosto de conversar, isso não foi nada “problemático”. De repente ele “solta” um: “Nossa, você é tão linda e inteligente que me excita ver seus lábios mexendo.”
Dei risada e o beijei. Ele disse que precisava de um banho. Eu disse que não, que já havíamos “usado” muito tempo conversando e que depois usaríamos um pouco do tempo para um banho.
Ele abriu minha saia “executiva” e a minha blusa de renda branca com mangas longas. Beijou meus seios, tirou meu soutien, afastou minha calcinha e começou a fazer um sexo oral delicioso em mim. A seguir eu fiz ele se despir! Uau que belo corpo!
(Cueca bonita, inclusive). Fiz um sexo oral nele que estava com o membro extremamente duro! Lindamente duro! Então peguei a camisinha atrapalhadamente de dentro da minha bolsa e pedi a ele que colocasse por causa das minhas unhas. Tenho muito medo de rasgar, furar ou machucar. Melhor evitar!
Então ele colocou e veio por cima de mim, ergueu minhas pernas, me colocou de lado e pediu para gozar na minha boca tão logo eu gozei. Enfim,tirou a camisinha e gozou. Engoli, ele caiu exausto na cama e seguimos conversando e “bebericando”. Fomos para o banho. Tinha banheira no local, mas eu não quis usar.
Ele sugeriu pedir algo para comermos, falei que poderíamos jantar “mais tarde”. Risos... Eu estava a fim de sexo mesmo! Ele riu, me chamou de “tarada” e voltou a me beijar. Eis que em menos de 10 segundos ele, também tarado, estava de pau duro! Colocou-me de costas, me chupou, me masturbou com os dedos, me fez gozar com um dedo no meu cuzinho e outro na frente, então eu pedi para ele enfiar o pau dele em mim.
Pegou a outra camisinha que eu, prevenida, tinha trazido para próximo à cama e delicadamente e comigo de costas me “obedeceu”. Fizemos, então, um anal sensacional que poderia ter sido ainda melhor se ele não tivesse gozado na segunda mexida de bunda em direção a ele. Risos... Senti-me lisonjeada, pois segundo ele nunca viu um bumbum tão bonito! Não que eu acredite plenamente, mas agradeci e sorri, como de costume.
Fiquei lá mais um pouco, tomei mais uma taça de vinho e resolvi não jantar com ele para não aumentar o vinculo vez que as tais duas horas contratadas tinham findado e, não seria justo ou coerente, cobrar-lhe o tempo de um jantar a dois num quarto de hotel! Preferi vir pra casa. Eu primo muito pela justiça e lógica com meus clientes. Perco dinheiro, mas não a respeitabilidade. Se quiser pagar só para comer, a dois, comigo, basta dizer, fora isso, prefiro evitar.
Eis que, agora chego ao meu lar e vou escovar o Zeus! Verifico que ele está ótimo, como de costume, mas o Pequeno Bolota machucou as “almofadinhas” de uma das patinhas. Acho que nos cacos de vidro de um copo que derrubei sem querer outro dia. Aff, suficiente para me deixar estressada!

Nossa, preciso de sexo amanha, com urgência!

Beijos de luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário