Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Novas resoluções imobiliárias e um delicioso cliente: 69 perfeito!

Boa tarde lindos!!!

Ontem, meu aniversário de três meses, passei em torno de casas boas e bem localizadas para alugar.
Foi um completo estresse! O cliente que havia marcado foi viajar, recebi alguns contatos de homens sem nenhum “ar” de classe e finesse (do tipo que chama “oi gatinha”, “oi gostosa” no Whatsapp- detesto!) e, portanto não os atendi e resolvi descansar à tarde. 
Acabei tomando, junto com minha mãe e minha tia que está em Passo Fundo a resolução de alugar um apartamento de 3 quartos no Sudoeste para morarmos. APÓS EFETIVARMOS A LOCAÇÃO irei alugar, no mesmo bairro, uma KITINET apenas para atender e num prédio menos "elegante" e "familiar", obviamente! 

Incrível a má vontade de muitas! Acho de péssimo tom deixar a chave na portaria para o pretenso locatário ver. Gosto de atendimentos atenciosos onde, ao menos um funcionário da imobiliária vai ao local apresentar o imóvel ao interessado. Vejo, porém que atendimento de qualidade é exceção no mundo, inclusive por aqui, na capital federal.
Hoje almoçamos no Conjunto Nacional de novo, pois levei um dos vestidos para a costureira refazer a barra, fui à Lord comprar rímel e demaquilante para a área dos olhos e viemos pra casa.
Chegando um cidadão muitíssimo bem articulado e educado do Estado de São Paulo me ligou. Gostaria de uma hora e meia da minha companhia.
Tomei banho, estreei meu super rímel da Lâncome e fui. Chegando lá encontro um homem com quase dois metros de altura, forte, apesar de se achar gordinho e extremamente simpático.
Muitíssimo bem graduado e culto, conversamos bastante até nos beijarmos! Ele tirou meu vestido abrindo o fecho enquanto nos beijávamos. Nisso senti o pênis dele duro, praticamente encostando-se ao meu abdômen!
Isso me deu um baita tesão!
Ele me colocou de quatro e me chupou, depois eu fiquei sobre ele, coloquei minha buceta na boca dele e o chupei! Chupava e gozava na boca dele, enquanto ele também penetrava meu ânus com um de seus dedos... Gozei muito, muito, muito!
Até que, numa das vezes em que coloquei todo o pau dele na minha garganta e segurei, ele disse que ia gozar. E gozou. Encheu minha boca de porra. Naturalmente engoli tudo e, ainda, limpei bem a pontinha para que nenhuma gota viesse a sair depois.
Pagou-me o equivalente a duas horas de atendimento depois de dividirmos uns goles de vinho e eu vim pra casa, pois tinha massagem na sequencia! Agora, se nenhum encontro rolar, pretendo descansar. Orgasmos não faltaram hoje e amanha cedo tenho que levar meus exames ao médico e ir ao Boulevard fazer as unhas, afinal, sexta viajo!

Beijos de luz!

Um comentário:

  1. Bacana, então quando você alugar a kitnet, irei ao seu encontro...
    ALUGA LOGO!!!
    Bjos linda...

    ResponderExcluir