Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Novo cliente objetivo, gostoso e educado: o descanso do corpinho fica pra depois!

Boa noite gente linda!

Então, hoje descansei, cuidei da pele e fui contatada por um novo cliente bastante direto e objetivo, do jeito que me atrai. Ele costuma vir ao menos duas vezes por mês para a cidade. É divorciado e mora no Rio de Janeiro.
Tendo em vista a objetividade e educação com que me abordou no Whatsapp, resolvi superar a vontade de descansar meu corpinho pelo dia “super sexuado” de ontem e ir ao seu encontro.
Vim pra casa, tomei banho, me vesti e fui até o belo hotel em que o homem fica. Chegando lá, me surpreendo com a simpatia do cliente!
Gordinho, um pouco mais alto do que eu, sorriso lindo, alegre demais! Conversamos um pouco, demos bastantes risadas tendo em vista que ele acompanha meu site e, então nos beijamos! Uau! Que boa pegada!
Que beijo gostoso! Tendo em vista que continuo com um pequeno “vazamento” na minha maquina dianteira, estava eu, novamente com o O.B! Ele ignorou! Chupou-me com vontade, pediu para eu tirar, pedi um “tempo” e chupei ele bastante e, quando estava quase gozando, se segurou para colocar o preservativo e me penetrar.
Tirei o absorvente interno e subi em cima dele! Gozei algumas vezes e, uns 15 minutos depois, comigo de quatro ele gozou!
Não quis fazer anal, pois não curte e me achou “deliciosamente” gostosa (“apertada” é a palavra que ele usou, mas eu acho esse termo muito feio!) e, assim, voltamos a conversar, tomei um gole do uísque que ele tinha para o happy hour, fiquei um tempo a mais, contamos piada, rimos, no beijamos e, então, resolvi vir para o meu lar descansar minha beleza!
Estava até agora assistindo seriados na cama, vim escrever para não perder o pique! Pretendo dormir cedo, pois amanha de manha tenho manicure e mercado. 
Agora somos três: eu, Zeus e Pequeno Bolota! Incrível como eles comem! E como usam a bendita caixa de areia! Nunca reparei nisso morando numa casa grande com a minha mãe (ela cuidava disso)! Agora eu percebi! São comilões como a mãe de duas pernas deles! Sorte a minha que meu intestino não é tão “solto” como o deles, se não eu ia à falência né?! “Vazando” e sem a zona de lazer traseira pra usar? Que tristeza seria!  
Ah, semana que vem, viajo dia 15 e volto dia 17. Vou para Campinas/SP! “Encontrar-me-ei” lá (risos...valho-me das mesóclises do presidente interino) com um cliente de São Paulo, muitíssimo educado e simpático! Tenho certeza que teremos um belo final de semana!
Até breve povo lindo!

Beijos de luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário