Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sábado, 30 de julho de 2016

Sábado com "S" de squirt, boa foda e múltiplos orgasmos!

Boa noite gente linda!

Fiquei das 09 horas às 13h30min no salão! Pela primeira vez na vida, porém, com mamãe! Estou incentivando a vaidade dela, sempre tão “Amélia”. 
Retoquei as luzes, agora é hidratar, sobretudo no retorno de Punta Cana.
Fomos almoçar, viemos pra casa, tomei duas taças de vinho, depois um Tylenol pra dor de garganta (me “chapei” em síntese ...Risos...) e adormeci.
Cai num sono pesado, perdi de reencontrar meu cliente cativo de toda sexta-feira por tal lapso. Ele conseguiu um espaço para nos vermos hoje de novo, meu sono sabotou-nos.
Um pretenso cliente, porém,  havia me chamado no Whatsapp, olhei a foto, verifiquei a educação, tive uma boa intuição (como de costume) e marcamos. Ele chegou em torno de 18 horas, antes teve um pequeno “desencontro” dentro do bairro. Risos...
Como a foto traduzia: muito bonito, barba, traços harmoniosos, belos lábios, bronzeado e lindos olhos castanhos esverdeados. Um fofo! Ele estava gelado, assustado quando chegou, pois nunca tinha contratado uma acompanhante. Confesso que fiquei super preocupada de termos uma transa ruim, apesar dos “predicados” estéticos e intelectivos (doutorado, etc.) do moço.
Ele também não me conhecia das redes sociais e entrevistas ainda, até que achei legal!
Enfim, mais uma vez, porém, a vida me confirma: os que pouco falam e não têm intimidade com “perversões” exageradas são os melhores amantes, os que fazem sexo com entrega, não com ego. Em resumo: via de regra, os que falam demais, fodem mal, os que pouco falam, surpreendem.
Adoro cavalheiros na sociedade e devassos na cama. O “tipo” cafajeste nunca me atraiu. Benzadeus! Sempre fui muito inteligente pra ter tal (des) gosto. Acho que homens devem ser como as mulheres, sejam elas ACOMPANHANTES OU NÃO: que na sociedade prepondere a elegância, comedimento e inteligência e que entre quatro paredes prepondere a essência mais animalesca do ser...Risos... Sou da turma da “putice seletiva”: ninguém precisa me ver e identificar minha profissão pela aparência. Simples!
Enfim, gozamos muito! Eu, tive incontáveis orgasmos e alguns squirting com penetração mais profunda! Das seis camisinhas que ele trouxe, 3 foram bem usadas. Vaginal e anal, porém, ao final, pedi pra ele gozar na minha boca, pra conferir se o gosto era tão bom quanto o resto. E era!
Creio que com tanta química passaríamos uma noite inteira transando!
Fiquei estarrecida por saber que um cara que não aparenta mais do que 30-35 anos tem bem mais que isso! Incrível o que a genética e uma vida saudável fazem pelos homens! Surpreendente!
Bem, agora vou jantar, terminar minha garrafa de vinho, conversar com mamãe e descansar!
Beijos de luz de quem teve “a foda” num final de tarde!

Nenhum comentário:

Postar um comentário