Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sábado, 13 de agosto de 2016

Sobre uma noite de sexta-feira despudorada e cheia de bons e intensos orgasmos!

Boa tarde povo gostoso!
Ontem tive uma noite de sexta-feira excepcionalmente agitada após um dia de instalações de quadros e etc..
Fiz alguns amigos no flat em que morei: um vizinho super inteligente com números e que cursa Estatística, a Imaculada que ajuda a arrumar os quartos e cuidar do local e o seu prestativo marido. Após o trabalho bebemos e conversamos, todavia fui contatada por um novo cliente e, às 20h30min fui atendê-lo.
Na verdade ele me conheceu na época em que usei o Tinder como ferramenta de publicidade da Simone, mas até ontem nossos horários nunca tinham “fechado”, porém resolvi tomar banho e atende-lo. Tive confiança, vez que conversamos muito já e fui até seu apartamento!
Quarenta e poucos anos, belíssimo corpo e rosto, divorciado, excelente pai. Um homem com brio e bom gosto! Ainda na sala após ardentes beijos, ergueu meu vestido, se ajoelhou, me chupou e fez gozar ali mesmo. Depois eu comecei a chupá-lo! Uma delicia de pau!
Gozei até molhar a cama dele! Fizemos anal, foi uma delicia. Ele adorou meter todo o pau no meu cu e me ver gozando, todavia eu quis que ele deixasse pra gozar na minha boca e ele “obedeceu”. Mais uma delicia!
A seguir terminamos um vinho e saboreamos uma lasanha deliciosa que ele havia comprado! Aliás, quando eu cheguei a mesa estava posta. Até ganhei outra porção de massa caseira pra trazer pra minha mãe experimentar, nossa, deliciosa! E o cliente um fofo, além de gostoso!
Eu tinha um cliente de fora que estava em Brasília marcado para mais tarde, portanto vim pra casa e fui até o hotel dele no horário que combinamos. Conversamos, bebericamos e transamos deliciosamente e como se a intimidade fosse grande!
Foi uma delicia completa!
Ele é exímio em sua profissão e hoje tinha compromisso, eis que em torno de duas da manha cheguei ao meu novo e doce lar. Estava super cansada, pois tive uma sexta-feira agitada na instalação de outras televisões, quadros e espelhos!
Todavia, terminei a semana satisfeita, já que tive que dispensar alguns clientes ontem à tarde, sobretudo o meu “cativo” de toda sexta, que, excepcionalmente não poderia ficar muito tempo comigo para compensar a ida a um motel!
Acordei, voltei a dormir e, por fim, despertei de verdade agora!
Resta-me procurar um filme na televisão, comer algo e mais tarde inaugurar a banheira!
Bom final de semana gente linda!

Beijos de luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário