Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

domingo, 2 de outubro de 2016

De volta à "ativa" com meu cliente estrangeiro gostoso: incontáveis orgasmos e squirts!

Boa tarde gente linda!
Depois de uma folga forçada de sexta até sábado, hoje, após às 16h30min a vida voltou a fluir em mim e na minha lombar!
Claro, com Tramal de 8 em 8 horas para não ficar chorando ou gemendo de dor, o que, convenhamos, não é nada interessante. Recebi de um amigo do Facebook preciosas dicas acerca de uma fisioterapeuta que reside em São Paulo e vale-se do método GDS para tratamento e "salvamento" de seus pacientes!
Certamente irei procura-lá. 
Inicialmente, preciso me valer dos paliativos.
Bem, depois de 48 horas em jejum, acabo de atender ao meu cliente estrangeiro que, se não me falha a memória, veio domingo passado. 
Hoje ele foi o máximo dos máximos! 
Se segurou por uma hora com toda certeza! E eu quase morri gozando! Recomecei bem o meu retorno à vida ativa!
Fizemos um 69 por um bom tempo, gozei diversas vezes na boca dele! Após, ele me masturbou para me ver fazer squirts! Gozei horrores!
Depois, colocou a camisinha e ficou em cima de mim! Sentia eu gozar jatos no pau dele e voava até as coxas!
Depois comeu minha buceta por trás e, por fim pedi para ele comer meu cuzinho! Eu jorrava de tanto gozar e ele tocava a minha buceta com as mãos, acho que sentia, em que pese a maioria dos jatos fossem em direção as minhas coxas!
Após, exausto ele foi tomar um banho, feliz com "a transa" que tivemos.
Enquanto ele se vestia eu que estava molhada de suor, tomei um banho rápido!
A seguir ele foi embora e eu fui tomar meus remédios, deixando de lado o Tramal, pois, do contrário, não posso assistir nem um filme que adormeço! Risos...
Bom início de semana gente linda!
E que o voto de vocês nas urnas hoje esteja "valendo" e não seja como o da eleição presidencial de 2014!
Beijos de luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário