Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Quinta-feira e 3 horas com um novo cliente delicioso!

Boa noite leitores e leitoras queridos!
Eis que passei o feriado de ontem tal qual meus gatos, Zeus e Pequeno Bolota: comendo, dormindo e tomando água.
Tomei uns 4 drinques, mas acho que estou desabituada. Ultimamente, quando bebo é um vinho tinto carménere no sábado, enfim, ontem foi o dia da preguiça total!
Hoje pela manha fui ao shopping comprar um conjunto de sofá para a sala de televisão e duas poltronas para a sala principal do apartamento.
Tomei café, passei noutra loja comprar óleo para banho, uns produtinhos para a pele e, não resisti, trouxe junto um Miss Dior. Perfumes são uma das minhas poucas paixões desmedidas. Na verdade são livros e perfumes. Nossa, amo demais, difícil me conter! Livros e perfumes são como bacon pra mim: sagrados!...Risos...
À tarde não pude atender meu cliente cativo que, como de costume, virá amanha. Todavia, pretendo pela manha ir tomar sol, estou muito desbotada e minhas marquinhas de biquíni estão sumindo! Bem, desde a minha viagem relâmpago para a República Dominicana não tomo sol! (Por falar nisso, estou carecendo de uma praia, sol quente e areia fofa!).
O dia transcorreu bem, porém às 20 horas tinha um compromisso marcado com um cliente novo. Como de costume, cheguei pontualmente ao hotel em que ele estava.
Havíamos combinado um encontro de 3 horas.
Cheguei lá e me surpreendi com a simpatia e galanteio do cliente. Alto, bonito, asiático, paulista e muito bom de papo.
E de beijos, de toques, de dedos, de mãos, de língua, enfim, de tudo! Conversamos um pouco, ele havia pedido um suco, cheguei e tomei um pouco com ele. Disse-me que me achou mais bonita do que nas fotos, momento que devia ser selado com um beijo na boca, obviamente.
Beijei-o e ele retribuiu com vontade! Levou-me até o quarto da suite, fez um sexo oral causador de inúmeros orgasmos em mim, depois quando me despi e fiquei sobre ele para engoli-lo ele me colocou noutra posição e fizemos um 69.
Se segurou para não gozar seguidas vezes, sugeri colocarmos a camisinha e ele veio sobre mim, na medida em que me sentia gozar vibrava dentro de mim, pedi para ele tirar o preservativo e colocar na minha boca quando fosse gozar! Ele, um bom rapaz, fez o que pedi!
Gozou, mas tornou a me chupar na mesma hora! E me chupava, colocava os dedos na minha buceta e no meu cuzinho e fez eu ter mais alguns belos orgasmos, quando, pediu outra camisinha, me colocou de costas e comeu minha buceta novamente, após, acariciava meu cuzinho e enquanto falava sacanagens ao meu ouvido foi colocando... Gozei, 1, 2, 3 vezes e ele gozou!
Tomamos uma ducha e descemos para um bom restaurante. Comemos salmão e tomamos um vinho. Voltamos ao quarto nos beijando pelo corredor do hotel. na porta ele colocou a mão por dentro da fenda do meu vestido. Longo, com fendas, logo, eu estava sem calcinha.
Chegando no apartamento eu tirei o vestido e me joguei sobre ele, tirei a camisa, a calça e tornei a chupá-lo! Fizemos um longo 69 gozei seguidas vezes na boca dele e, por fim, ele na minha, conversamos mais um pouco e as 3 horas se esvaíram!
Vim para casa, terminei um filme com minha mãe e, agora, acabo de sair do banho! Estou terminando a primeira temporada de "How to get away with murder" agora! Não é das histórias mais sensacionais, mas tem seus pontos interessantes:  
1-Viola Davis como protagonista, negra, bem sucedida, linda e elegantíssima, porém usa peruca de cabelo liso e cílios postiços diariamente, afinal, apesar de poderosa nos tribunais, no fundo é insegura. A sociedade faz isso há tempo com os negros, cabelo alisado, nariz plastificado e etc.. Na verdade os artificialismos são frequentemente exigidos das mulheres, do silicone aos músculos, do corte de cabelo ao comprimento dos mesmos, da boca carnuda aos cílios, da depilação a pele. Um pouco ou muito, em algum momento da vida, mormente quando nossa autoestima é mais precária, todas caímos em alguma espécie de artificialidades. 
2- Está série me mostrou, também o quanto beijos podem ser excitantes! E sim, estou me referindo aos beijos de casais homossexuais masculinos! "Mulher com mulher é mais delicado", dizem os falocentricos que mal fazem uma mulher gozar e querem ter duas. Ou ver, para acharem que o mundo das vaginas gira ao redor deles (literalmente). Ora, foda-se a delicadeza! Quem quer "coisa" delicada vai num berçário ver bebês dormindo (porque acordados, nem sempre são delicados!). Sexo não precisa ser delicado. Não para quem, como eu, gosta de p****! Enfim, sensacional aqueles corpos lindos e másculos se pegando, enfim quase ao fim da primeira temporada estou muitíssimo "simpatizante" com ménage! Com 2 homens, claro, porque meu lado macho é gay! Muito gay, gay mesmo! 
3- Sobre o casamento? Como eu sempre digo: se quiser um parceiro (a) fiel, convém saber que o tempo de duração da relação não ultrapassará décadas não! Pelo menos não em 9 casos de 10.
Bem, fica a sugestão de uma série não badalada, na qual achei algumas "graças". 
Beijos de luz e bom início de final de semana!

Nenhum comentário:

Postar um comentário