Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Feriado de finados em clima de muita vida, prazer e orgasmos!

Boa noite gaúchos e não gaúchos de todas as querências!
Inicio este texto com tal "chamado" para avisar-lhes que o jornal Zero Hora trás no caderno Donna deste final de semana uma entrevista de duas páginas comigo! Não percam! Ciente da qualidade dos responsáveis, sei que ninguém irá se arrepender de ler, gostem ou não de mim, concordem ou não com minha ESCOLHA. 
Ah, se for para falarem mal de mim exagerem, ok!? Gosto de intensidade! ... Risos...
Bem, ontem à tardinha fui até um posto em Candangolândia (sei que se você nunca veio ao DF ou ouviu este nome está dando uma risadinha ao ler este nome...) buscar meu papai, sua esposa e minha mana. Chegando lá descubro que meu pai foi estacionar melhor a carreta (é uma daquelas "9 eixos") e o caminhão ficou sem "ar". Conversei com os administradores e consegui que liberassem-nos para hoje ele retirar o caminhão que, infelizmente, ficou atrapalhando um pouco a entrada do local. 
Viemos alegremente para casa aqui no plano piloto, minha irmã e papai nas nuvens! Eles adoraram o apartamento em que estamos morando. Mamãe fez estrogonofe de carne e nós bebemos duas garrafas de Concha e Toro, carmenere. Fiquei com dor de barriga na madrugada e um pouco à tarde, mas valeu a pena a festança familiar!
Clarinha dormiu comigo no quarto da minha mãe, cedi o meu (que é uma suíte) ao casal e minha mãe dormiu na sala de TV! A primeira criança que dorme comigo, tive até um pouco de medo...Risos... (Se quiserem ver fotos me sigam no @claudemarchi). 
Metade da tarde eu ia esperar um guincho com eles lá na cidadela de nome engraçado, todavia um pretenso cliente que há dias me ligou dizendo que estaria aqui neste feriado, resolveu agendar duas horas comigo. Meu pai disse que não precisava eu ir com eles. Eis que, lamentavelmente, início da tarde, após a Maria Clara brincar no playground, eles foram. 
(Parêntese com recadinho do coração pra parente fofoqueira e mal amada: não tenha "peninha" do meu pai por conta da minha decisão! Primeiramente, ele conhece a minha história e, como minha mãe, me apoiou! Ah, acredite fofinha: tem ORGULHO de mim. Pelo menos não finjo que sou feliz casada por interesse como muitas conhecidas por aí! Ninguém manda em mim, parafraseando minha mãe! E ser livre é uma benção! Ademais, namorados apaixonados nunca me faltaram né!? Escolhi viver do que vivo por ausência de paciência com homem e apreço por sexo, just it!).
Retomando: final da tarde chega o cliente que esta de passagem pela cidade, aparentemente tímido e "atrapalhado". Até começar a beijar e a agir! Eu já falei pra vocês que "pesquisas não científicas feitas por mim" comprovam que quanto menos "gargantão", falastrão e metido a "gostoso" e "comedor" o homem é, melhor o sujeito é na cama? Quanto menos fetichista, também! Mimimi ménage, mimimi swing e etc. só ouvi de cidadão de potência reduzida (para dizer pouco). Ouvi contarem, não me proporem, claro. 
Enfim, ele me chupou deliciosamente, me fez gozar e, após uns minutos num 69, fiz um squirt no rosto dele e ele esfregou o rosto todo na minha buceta! Colocou a camisinha, comeu minha buceta e adorou! Me fez gozar muito, depois tirou o preservativo, ficou de pé na cama e eu de joelhos e gozou na minha boca! Ficou vendo a porra sair e eu lamber e engolir com a boca aberta! Muito excitante!
Depois de ambos tomarmos uma ducha, ele me chupou novamente, comeu minha buceta e, então, o meu cuzinho comigo deitada de costas. Gozou rápido e depois de mim! Como estava meio indisposta por conta do vinho, tomei mais uma ducha e voltei.
Entre interessantíssimos papos fiquei sabendo que, além de conhecedor de Nelson Rodrigues, ele, quarentão, teve mais experiências com garotas de programa e acompanhantes de luxo do que com sexo gratuito. "O incomodo é menor e a diversão pode ser maior", em síntese. Dou-lhe razão! 
Você homem, solteiro ou não, já parou para pensar que quase sempre há um interesse envolvido nos seus casos de sexo gratuito? Afeto, carência, necessidade de adequação social, vontade de tomar um drinque mais caro, encontrar um marido abonado, etc.. Lembro de uma frase do Dr. Cal Lightman no primeiro ou segundo episódio de Lie to me: "Todos nós pagamos por sexo, pelo menos as prostitutas dizem o preço." Honestidade é tudo neste mundo de tantos crentes e poucos éticos, tantos moralistas e poucos moralizados! 
Enfim, quase ao término do nosso encontro (que eu nem vi passar) ele me masturbou e quando eu gozei e fiz um squirt ele esfregou o líquido no rosto dele! Me matou de tesão, chupei ele bastante, alcancei a terceira camisinha e subi nele. Gozei muito e pedi pra ele me comer de quatro, quis comer meu rabinho de novo! Gozou mais uma vez e eu várias. 
Segundo ele eu sou mais bonita de rosto e de corpo do que nas fotos. Disse que algumas fotos me deram uma barriga que não tenho. Bem, eu, ao contrário da Maria Clara, minha maninha, não me considero fotogênica e saio mais gorda em fotos, via de regra. 
Me senti lisonjeada ao receber tão devasso cavalheiro neste feriado que, de regra, é meio "cinza"! Tive orgasmos incríveis e seus elogios sinceros me encantaram, afinal, ouvir elogios de homens vividos, bem sucedidos e experientes é sempre enaltecedor. 
Bem, vou jantar (estou faminta!) e continuar a assistir The Killing, pois desde ontem não assisto!
Beijos de luz povo de luz!


Nenhum comentário:

Postar um comentário