Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Terça-feira boa, mas que poderia ter sido melhor gozada!

Boa noite pessoas do bem!
Início desta tarde atendi a um homem lindo que vem passando ela ferrenha rotina de ser um jovem papai, assim como a esposa! Meses sem sexo... Tadinhos! 
Ele não me chupou, me masturbou um pouco, quase me fez gozar se enfiasse os dedos com mais força (meu ponto G é no fundo da vagina, por isso adoro penetração!) , depois sentei sobre ele, estava quase gozando e, por falta de hábito com camisinha me fez uma pergunta que me fez perder o tesão no ato: se eu não tinha um gelzinho,
Acho que as mulheres que ele conhecia deste ramo fazem parte da trupe que tem o "kit pra fingir orgasmo e excitação"... Risos! Onde se inclui o, pra mim, brochante gel!
Amigos, o dever de deixar a mulher lubrificada, excitada, lubrificada e louca de tesão é vocês! Faço anal com homens com mais de 22 cm de pau grosso, sem lubrificante e ainda gozo pra cacete! De molhar os lençóis!
Mas, as preliminares destes caras são deliciosas! Ele quedou-se em me masturbar lentamente, não se dedicou como poderia e, pela beleza toda que tinha, deveria. Fora isso gostei da companhia, educado, gentil, higiênico e com consciência de seus limites, como a falta de hábito em usar preservativo. 
Ao final, comeu minha buceta, tirou a camisinha e gozou na minha boca. Garanto que num próximo encontro ele pode estar mais releax e aproveitarmos mais!
Bem, agora à noite deixei te atender dois clientes por conta de um agendamento que fiz com um tal de Rodrigo que está na torre D do Meliã, a seguir farei um tutorial sobre tal abjeto ser humano e aos que, por total ausência de classe e educação, à ele se assemelham.
Hoje a tarde minha pressão caiu, e não pude atender a um cliente lord com uma voz linda que me ligou, uma pena! 
Bem bom descanso e quem quiser siga lendo o "Tutorial sobre o desrespeito inerente à impontualidade". 
Beijos de luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário