Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Sobre 2016: o ano da minha revolução! (com fotos).

Sobre 2016: o ano da minha revolução!



Eu poderia escrever um "textão" falando mal de 2016. Psicologicamente, quiçá, lá no fundo, eu devesse escancarar as minhas revoltas com incontáveis injustiças, de demissão em início de semestre letivo, falecimento trágico de um primo à impeachment (GOLPE) julgado por um Congresso ilegítimo. 


Do machismo, preconceito e misoginia ao lamentável e diariamente "constatável" analfabetismo funcional do nosso povo. Mas, não, não farei isso! Pelo menos não com tanta veemência! 

Fato é que em 2016 eu peguei as rédeas da minha vida, conforme ela (a vida) as "largou" para mim,  e coloquei-as no prumo das minhas decisões.



Eu contrariei parente distante e hipócrita, "amiga" que antes de casar já era corna, conhecida que dá de graça para qualquer cidadão que aparentemente seja abonado e um "bom partido" para casar. Eu coloquei valor à minha companhia, afeto e a tudo que está envolto na intimidade entre um casal heterossexual.


Foi só o que eu fiz e por isso fui criticada, julgada e malbaratada, porque as pessoas acham que no universo em que eu vivo todas são baderneiras, interesseiras ao extremo, golpistas, fingidas e "sem futuro". 

Eu tinha um futuro que dispensei: cinco meses de seguro desemprego, contando com a sazonalidade da advocacia e, quiçá, um emprego numa outra universidade do nortão do MT onde tínhamos uma bela e confortável casa, cujas parcelas da CEF eram eu quem pagava. Assim como luz, água, comida, telefone, internet e etc..  Perdulária? Nunca fui!


Mas, eu me revoltei, me rebelei e estou onde escolhi estar por revolta e desapontamento com o ser humano. 
Colegas? "Amigos"? Não tenho mais, não preciso e dispenso. Porque quando alguém deveria manifestar carinho, preocupação e atenção sinceras, raríssimos o fizeram, enfim, conto nos dedos quem o fez e, desses, obviamente, jamais me esquecerei.



"Coleguismo"? Nunca vi. Puxa-saquismo? Diariamente! Os que se mantêm "de pé", bem julgados, bem avaliados (ainda que mediante fraude à avaliação institucional), por exemplo. 

Agora eu sou livre e é por isso que cobro razoavelmente bem e seleciono clientes por muitos fatores desde o bom por português até a aparente cultura e aparência. Eis um direito meu! Não gosta? Procure outra, o mercado está cheio!


Nem toda "puta" morre de fome, nem toda "puta" tem amiga pra fazer festa e ouvir música alta, nem toda "puta" compete com a coleguinha no agachamento, nem toda "puta" sonha em aparecer na TV ou virar panicat (Cruz credo!), nem toda "puta" quer se "encostar" em político idoso, desonesto é dependente de Viagra, nem toda "puta" deu pra mil caras desde os 15 e durante a faculdade, nem toda "puta" se intitula universitária e não diferencia "mas" de "mais", nem toda "puta" se humilha pra ficar com o filho do fazendeiro infiel e desrespeitoso, nem toda "puta" quer o tiozão rico para andar ao seu lado como objeto decorativo e imprestável mentalmente.



Nem toda "puta" atende telefone na madrugada e sai correndo tipo louca de casa atender a estranho, nem toda "puta" aceita qualquer abordagem ao telefone ou WhatsApp, nem toda "puta" aceita pechincha, nem toda "puta" quer ver a outra se dar mal para ela se dar bem, nem toda "puta" reproduz o machismo e acha bom uma agredida ter recebido metade do que deveria quando foi agredida, nem toda "puta" usa drogas ilícitas e lícitas diariamente, nem toda "puta" se porta como "puta", nem toda "puta" usa legging e saia mostrando o útero, nem toda "puta" se diz de "luxo", sem saber diferenciar trabalho autônomo de vínculo empregatício, nem toda "puta" precisa dos seus conselhos sobre economia e quaisquer assuntos afins. Nem toda "puta" só lê a "Boa forma" e, se muito, a revista "Nova"!



Nem toda "puta" tem vergonha do que faz! (se tem vergonha, faz por quê?). Nem toda "puta" faz só o que o macho quer, nem toda "puta" finge orgasmo e chama o cliente inculto de "meu amor", nem toda "puta" frequenta lobby de hotel e dá cartão pra taxista e porteiro no setor hoteleiro, nem toda "puta" finge se sentir bem com você e nem toda "puta" quer você!



Logo, eu aprendi neste ano que falta muito para os homens e mulheres evoluírem e deixarem o egocentrismo de lado, que falta muito para haver sororidade entre as mulheres, aprendi que é fácil apedrejar a Geni enquanto segura a cria no braço direito, afinal em nome da "sociedade, família e bons costumes" você tinha que parir para ser adequada às exigências da hight society (que há anos esta cada vez mais down!) e formar uma hipócrita família feliz de foto no álbum de família e Instagram.



Ou seja, 2016 foi o ano em que vim sozinha com uma mala (com excesso de bagagem, claro) para a capital federal, aluguei um flat, provei a quem comigo conviveu que nem toda acompanhante é o estigma que delas se "tem". Vivi sozinha, amadureci sozinha e cresci, em todos os aspectos, sozinha!



E, hoje, com a minha seletividade, carta de clientes, alegria e paz de espírito eu só posso dizer: antes vender meu tempo por sexo e diálogos com verdadeiros lords, belos e em sua maioria mui joviais, do que vender minha existência a um casamento baseado na carência de ter alguém para chamar de "meu", ter uma vida infeliz e eterno medo da solidão!


Eu aprendi a ser uma mulher inteira, a não ter vergonha do que faço, pois não é desonesto, aliás, é mais honesto do que o proceder de muitos ex-colegas advogados ou professores. Eu aprendi que o empoderamento gera arremesso de pedras, mas também gera reação, luta e coragem. Eu aprendi a ter poder, ainda que tentem me diminuir. Eu aprendi a dizer "me deixa e não se apaixone por mim, não admiro homens infiéis" para muitos daqueles que me ofereceram viagens e sustento em troca de exclusividade. 

Eu aprendi que não ser "exclusiva" não tem a ver com não ser leal, eu aprendi que sentimentos superam machismo e conceitos toscos de amor. 


Eu aprendi a deixar entrar em mim quem eu quero e a colocar o meu coração, numa gaveta separada e distante, na qual só insiro quem for muito, muito especial! 

Eu aprendi que a hipocrisia me causa mais ojeriza do que eu imaginava, pois já ouvi de várias pessoas que devo arranjar um "coroa" rico para me "sustentar". Logo eu pensava: será que as pessoas pensam que a mulher, como um objeto decorativo ao lado de um velho, é mais decente do que uma independente e empoderada acompanhante de luxo? Ou será que as pessoas me acham com cara de reumatismo? Eu gosto de sexo sem Viagra gente! Dispenso cidadão que precisa de remédio pra ficar excitado comigo! Aliás, basicamente eu nem tenho clientes velhos! 




Enfim, é socialmente aceito ser interesseira, casar por dinheiro, chamar o velhote de "meu amor" e ser "sustentada" como se inválida ou acéfala fosse, mas fazer sexo por dinheiro não, é "absurdo", é "indecente"! A bonitona que casou com o velhote 30 anos mais velho é a madame "digna" de respeito, não a chamam de "puta" ainda que ela tenha vendido o corpo, as suas manhas e as suas noites e todas as horas de seu tempo a um homem, não raras vezes, sem virilidade, humor e beleza. 

Realmente, a sociedade é uma piada! Demoniza o sexo e sacraliza a união por interesse, deturpa a apetência sexual correlacionando-a à imoralidadeenquanto bate palmas para a imoralidade de juras de amor com base na falsidade



E, sobretudo, eu aprendi que a opinião de pessoa alguma me interessa, me avilta, me afeta, porque deste corpo, mente, saúde e alma eu sei cuidar, e o faço muito, muito, muito bem, obrigada! 

2016 foi o ano em que eu nasci para a vida adulta e contente, para alegria de quem me ama e desprezo dos miseráveis que me odeiam!



E QUE EM 2017 IMPERE O AMOR, 

O RESPEITO AO PRÓXIMO, 

MENOS FOFOCA, 

MENOS HIPOCRISIA, 

MENOS JULGAMENTOS, 

MAIS HA-HA-HA 

MENOS MIMIMI 

COM CADA UM CUIDANDO DA SUA VIDA!

FELIZ 2017!



Cláudia de Marchi


Brasília/DF, 31 de dezembro de 2016.

5 comentários:

  1. Que tenha um excelente ano de 2017, Cláudia. E obrigada! Ou, como se diz na minha terra, no interior de Portugal, e eu prefiro, bem haja!

    ResponderExcluir
  2. Olá tenho 24 anos, estudante de administração e casada a 6 anos. Não me sinto feliz no meu relacionamento e gostaria de ser uma prostituta de luxo, mais não sei nem por onde começar, termino minha faculdade esse ano e estou muito confusa com tudo na minha vida, não tenho filhos, e amei todos os seus posts ..... realmente são inspiradores.... Se acaso você poder me dar umas dicas eu agradeceria muito ❤❤❤👏🏼👏🏼

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só procurar os tutoriais que tenho através do www.claudiademarchi.com.br e lê-los até compreender! Beijos.

      Excluir