Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Pequena grande crônica sobre o esforço vil para manter relacionamentos falidos e a importância do sexo no casamento.

Pequena grande crônica sobre o esforço vil para manter relacionamentos falidos e a importância do sexo no casamento.

"A gente tá lutando para o nosso casamento dar certo". Filhinhos, seguinte: relacionamento tem que ser "facinho"! Tem que ter cuidado mútuo, bom humor, diálogo, tesão, aquelas fodas fora da cama para sair da rotina, entrosamento!
Não tem que ter mimimi terapia de casal, mimimi mènage ("não tenho tesão na minha mulher, vou colocar outra no meio, porque um processo de separação é muito dispendioso")! Casamento tem que ser bom, divertido e prazeroso para ambos!
Se for pra ser "lutado" é porque a "coisa" morreu e você tem preguiça de enterrar, não por amor, mas para não ferir o ego, afinal, o que será das suas redes sociais sem as fotos da "família linda que Deus lhe deu"?! Ah, como se vive de aparência neste mundo fútil pós-moderno!
Querida, se for pra passar sufoco dobra lençol de elástico, corre uma maratona, corta os carboidratos da dieta, relação é para ser simples e prazerosa, chega de romantizar a "luta" para manter-se ao lado de alguém pisando na sua dignidade e amor próprio por puro orgulho e egocentrismo!
Quem ama não deixa o outro de lado. Quem ama percebe pela voz e até pela digitação se o outro está feliz ou triste, incomodado ou animado. Quem ama tenta agradar. Quem ama seduz.
Quem ama não esquece que tem um parceiro gostoso na cama só porque tem duas crianças (geradas por intenção própria!) dormindo no quarto ao lado. Quem ama presta atenção no outro.
Por outro lado, quem tem orgulho ferido, inventa que ama por covardia e medo da solidão na hora do necessário rompimento.
Amor é cuidado, atenção, prezar, preocupar-se com o bem estar, além da paixão e tesão, sim senhor! À vocês que dizem que "sexo não é tudo numa relação" comecem a dizer que fidelidade e lealdade também são desimportantes, porque em relacionamento sem tesão vai ter traição sim! 
"Nada" é "tudo" num relacionamento! Há de existir sintonia, cuidado e dedicação mútua, ausência de comodismo, loucuras em comum, desejos em comum, libido em comum, parceria, predileções, valores, amizade! Mas, não sejam hipócritas: casamento sem sexo é amizade, logo ter um cão ou gato sai mais barato e pode ser bem mais divertido, além de digno.
Parem, portanto de propagar essa ideia imbecil e machista de que homem tem mais libido do que mulher! Acontece que a mulher na sociedade patriarcal é educada pra "catar" um marido e parir. 
Dai vem fraldas, amamentação, preocupação com o lar e filhos (aliás, você "marido libidinoso", ajuda sua parceira nas tarefas cotidianas?), mudança hormonal, além do fato lá no início comentado: na busca pela aliança e do "até que a morte os separe" tem mulher assexual (já escrevi aqui sobre os assexuais) se fazendo de tarada pra "engatar" o macho e depois perde a razão do disfarce e só transa pra cumprir tabela! Simples! 
Assim como tem homem sem ou com apetite sexual reduzido, existem mulheres assim! Tem macho que prefere encher a cara, cheirar, chegar em casa broxa e dormir! Tem gente para todos os gostos neste mundo, a questão é saber qual é o seu e viver bem, ao invés de "suportar" uma vida merda por comodismo!
A gente fode muito bem sem amar, mas depois que ama cada foda é uma demonstração de amor! De corpo e alma! Sexo é divino e, sim, independente do amor, ah, mas o amor? Depende do sexo para ter graça! Oh, se depende!
Cláudia de Marchi
Brasília/DF, 10 de janeiro de 2017.

3 comentários:

  1. Meu deus que texto perfeito! Você tem o dom da palavra e inteligência demais! Sou sua fã, com você estou aprendendo a me empoderar! Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Meu deus que texto perfeito! Você tem o dom da palavra e inteligência demais! Sou sua fã, com você estou aprendendo a me empoderar! Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Gabriela!
    Comentários como o seu me empolgam!
    Beijos!

    ResponderExcluir