Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

sexta-feira, 3 de março de 2017

Final de sexta-feira e uma foda unilateral (pênis+boca)!

Boa noite gente!
Eis que agora ao término da tarde atendi a um daqueles clientes que, ainda que beije bem, não faz a gente suar e, no caso, gozar. 
Cidadão bonito, casado, chegou em meu apartamento com cara de assustado... Sabem, aqueles pseudo-maridos fiéis que lhe procuram só para extravasar a energia sexual reprimida que a miserável da esposa não ajuda a "dar cabo"!? Este era um!
Preocupado com o perfume, cingiu-se a dar-me uns beijos gostosos, tirar a cueca e, depois de algumas engolidas da minha parte (claro, ele usufruiu de meu costumeiro "gosto intenso" para chupar um pau), gozou na minha boca.
Foi, bonito que era, tomar uma ducha, pagou os R$ 600,00 e se foi. 
Eis um parco exemplo de sexo "unilateral": onde só o cidadão goza, todavia, eu não disfarço nada. Ele sabe que não me fez gozar e que queria apenas dar uma gozada, ou seja, sabe que foi frustrante, mas, já que tenho este blog, não custa avisar: "amigo, que foda ruim!".
Bem, agora vou para o banho e esperar uma boa companhia para sair espairecer e me divertir à beça!
Beijos de luz galera gostosa!

3 comentários:

  1. Super fã do teu blog. Sou gaúcha, de cidade próxima a Passo Fundo. Conheci sua história a partir da matéria publicada no jornal Zero Hora! Desde então acompanho seu blog diariamente.Já o li todinho "de Cabo a rabo" como falam aqui no Sul. Adimiro muito a mulher que és, tuas opiniões aqui relatadas sobre os mais variados assuntos. Enfim, te desejo tudo de bom que a vida possa te proporcionar. Com certeza estarei aqui todos os dias acompanhando seus relatos. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gessica sua linda, muito obrigada! De coração! Super beijo!

      Excluir
  2. Vou te deixá de pernabanba gatinha se eu te pegá voce não anda ..

    ResponderExcluir