Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

terça-feira, 11 de abril de 2017

Feminista cansada e o resumo do meu dia de aniversário de 1 ano como cortesã!

Ok! Ok! Ok! (Como diria algum apresentador de algum programa que minha mãe já assistiu!).
Prepara que lá vem textão!
(...)
Em que pese eu tenha passado o dia quietinha, desde ontem sem falar da apresentadora fascista que não merece a minha defesa, do puxão de orelha do chefe “politiqueiro” e costumeiramente machista e do porto-alegrense que reside na capital nacional do agronegócio (Sorriso, de onde sai há um ano), onde faz sucesso como cirurgião plástico e, ontem, foi expulso do tal de BBB.
Ou seja, apesar dos meus posts sobre a minha total ausência de compaixão com a neo fascista Sherazade, escrevi ainda ontem que caráter e decência não são questões de gênero. E não são! Em minha opinião o Sílvio falou o que pensou, e em que pese seja um cidadão de regra machista e reacionário, não o foi naquela ocasião. Ele foi politiqueiro, quiçá! Mas, sincero.
Disse o que todo dono de emissora deveria dizer para quem opina ao invés de simplesmente dar a notícia. E, ao final, incluiu o misógino insipido do Gentili junto com a Sheranazi.
Bem, isso foi ontem.
Hoje, 11/04/2017 faz um ano que comecei na carreira de cortesã. Muito bem sucedida e feliz, por sinal.
Se eu trabalhei hoje? Não. Primeiro, porque estava um pouco indisposta, segundo, porque só recebi contatos toscos, sendo um deles de uma pessoa que, no mínimo, deveria contar com 95 anos e estava respirando por aparelhos.
Não “curto” homem com mais de 60 anos. Há de mostrar foto e ser excelente para eu agendar um encontro, casos em que abro exceção.
Posteriormente, outro ser de voz “idosa”, me liga:
- Olá, boa tarde! Qual o valor do cachê?
-Olá! No anúncio de onde tiraste este celular tem. É R$ 650,00 a hora.
- E dá para fazer uma espanhola e eu g**** nos seus s****?
- Dá, desde que pague o valor da hora, mas para isso precisa me chamar no Whatsapp e mostrar-me o rosto.
- Ah, tô sem “zap”.
- Ok, não atendo.
- Pena...
(Desliguei).
Mais tarde, início da noite, um cidadão da região de Goiânia me manda foto da cabeça de seu órgão sexual dizendo que gostaria de “coloca-lo” em mim. Vejam:

(...)
- “Cláudia, cê tá bêbada? Começou falando de BBB e Sherazade e caiu neste assunto, não tô entendendo!”.
Não, baby, não estou embriagada e nem ingeri nada alcoólico desde sábado. “Embriagadinha” de Aperol Spritz e espumante quiçá eu fique amanha, quando comemorarei meu aniversário transbordando alegria juntamente com mamãe, tia Jocelia (que chega hoje) e um amigo querido!
Eu cheguei até aqui para dizer uma coisa: eu sou, infelizmente, uma feminista cansada!
Cansada do exagero de algumas, do maniqueísmo, da falta de bom senso e da falta de senso critico sobre a nossa postura perpetuando o machismo. Cansada de quem se diz feminista e “não puta”, mas só transa com cara endinheirado, cansada de quem se diz feminista, mas é contra a legalização do aborto, cansada de quem se diz feminista, mas empunha a Bíblia ignorando o machismo existente em incontáveis partes da mesma, cansada de quem se diz feminista, mas critica a conduta sexual alheia, cansada de quem se diz feminista e quer colocar preço no corpo de mulher que nem conhece, cansada de quem se diz feminista e só coloca a culpa na outra mulher, cansada de quem se diz feminista e quer engravidar para manter relacionamento com macho escroto, cansada de quem se diz feminista e não estuda, não sabe o que é violência psicológica e etc. E etc., de novo!
E na minha profissão atual verifico isso com frequência. Aliás, sempre verifiquei em face de cada assédio moral e sexual que já sofri ao longo de 18 anos envolta com o Direito.
Só que agora isso é mais “vivo” pra mim, quiçá pela vivência e aprendizado com ela advindo! A falta de empoderamento das mulheres, de imposição de respeito, esteja elas onde estiverem me afeta. Sofro desrespeito, porque os machos acham que eu “sou mais uma” e, portanto, pelo dinheiro a ser pago, devo “topar” qualquer parada! Ah, ledo engano senhores bípedes circunstanciais que assim pensam!
Sábado teve um malandro fazendo de tudo para eu ir a um motel sendo que ele não tinha foto no Whatsapp.
Por que razão alguém não tem foto em tal aplicativo ou no celular? É bandido ou “celebridade”? Eu acredito na primeira opção. Fosse “celebridade”, por mais ignorante que seja, poderia ter um assessor jurídico para dizer que eu não divulgaria fotos, porque romperia com a ética da minha carreira e eu viria a perder clientes e, consequentemente, dinheiro.
Moral da história: não defenderei a Sherazade. Não defendo fascista que vê moleque espancado e diz “tá com pena, leva pra casa”. Também não defendo o Sílvio, sequer dou audiência para a emissora dele. Não defendo a Emily, mas também não defendo o Marcos. Raramente dou audiência para a Rede Globo, por sinal!
A guria pode ser “meio desequilibrada” e etc., como quem defende o médico insiste em dizer, mas o homem de quase 40 anos ali era ele e como tal deveria ter agido. Ela, jovem na faixa dos “inte”, se tivesse a minha maturidade, certamente o mandaria colocar o “dedo em riste” (que, segundo mamãe, ele tanto colocou na cara dela), no c* na primeira vez. Na primeira briga.
As mulheres precisam agir e reagir!
Estou cansada de receber ligações, contatos no Whatsapp e afins com tratamento medíocre, pechincha e ofertas desrespeitosas, porque, certamente, tem mulheres que aceitam! Tem mulheres que não impõe respeito quando ele não lhes é dado como deve!
Não importa a sua profissão, a sua idade, a sua cultura, mulheres, por favor: se amem! Se empoderem! Se imponham perante o macharedo sem fineza e classe que lhes “aparece”! Simples. Do contrário, eles continuarão se sentindo donos da razão. E não são! São só misóginos, covardes, sem respeito e provavelmente broxas.
(Pronto, agora me sinto aliviada...).
Mais: registro uma mensagem gostosa de um homem igualmente gostoso com quem estive semana passada:

Coisas viciantes: crack, cocaína, heroína, ecstasy, café, Coca-Cola, chocolate, Cláudia... (O "C" domina a "parada"!). Brincadeiras à parte: hoje, no meu aniversário profissional, este elogio resume o meu talento! Tim-Tim!
Beijos de luz!

3 comentários:

  1. Amei o texto! Estava comentando sobre isso com uma amiga, sou uma "feminista cansada" também!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, quando o supérfluo vem a ser superestimado a gente se cansa! Temos muito o que fazer e pelo que lutar ao invés de perdermos tempo com tolices. Beijos!

      Excluir
  2. Acompanhantes profissionais é tudo de bom. Acompanho seu trabalho, e gostaria de deixar meus parabéns!

    ResponderExcluir