Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

terça-feira, 9 de maio de 2017

Terça-feira surprendente que finda triste!

Boa noite pessoas! 

Minha terça-feira foi tranquila e feliz! Pela manhã fui tomar café e ao dentista, onde comecei a me estressar, haja vista que o profissional que me atendia, natural da minha cidade lá do RS, simplesmente desapareceu. Ou seja, a colega dele estava totalmente por fora do meu caso. Irresponsabilidade pouca é bobagem. (Aff!)
Pelo período da tarde e após me estressar ao telefone com meu pai, descansei, dormi bastante e tive um sonho deliciosamente erótico com um homem de barba e gravata vermelha com listas diagonais. Acordei final da tarde. 
À noite havia marcado um compromisso com o cidadão que, neste domingo pela manhã, eu dispensei posto que pechinchou (justo comigo!). Todavia, me compadeci pela humildade e pedidos de desculpas. 
Alto, bronzeado, bonito, magro-sarado, charmoso e muito educado. Chegou, elogiou-me, apresentei-lhe ao Zeus e trouxe-lhe ao meu quarto. Nos beijamos, tirei minha saia e continuei com a blusa preta e salto que estava. 
A pedido dele, o salto eu não tirei! Transamos de todas as formas por uma hora ou um pouco mais. Gozei inúmeras vezes! Só trocamos de preservativo duas vezes ao longo da transa que teve um anal fabuloso nas mais variadas posições apesar de ele ser muito bem dotado. 
Ao fim, após tirar o preservativo e chupa-lo ele gozou no meu rosto e boca! Gozou muito. Com o pau dele limpei minhas bochechas e engoli a porra que estava nela. Após, ele foi encontrar amigos, vez que volta amanhã para o exterior. 
Fiquei descansando, haja vista o choque emocional que levei ao conversar com meu pai, pois meu avô, pai dele, faleceu hoje pela manhã. Ninguém havia me ligado. 
Bem, após programar o pagamento das inúmeras contas que tenho para pagar amanhã, vou repousar. Pretendo ter a quarta-feira para descansar a mente em vista do abalo psicológico inerente a notícia do falecimento de meu vô paterno. 
Desejo que todos tenham um "meio de semana" tão bom quanto foi o começo da minha. 
Beijos de luz! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário