Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Sobre a minha terça-feira e contatos abjetos.

Meu dia ontem foi de descanso e, claro, com alguns contatos inconvenientes, como de costume. Quando a cidade se agita ela costuma ficar mais mal frequentada.
Foram vários os contatos estranhos ao longo do dia: teve um infante, outro fetichista fazendo pergunta besta: se eu realizasse fetiches estaria escrito no meu site. 
Eu só faço o que me dá prazer e fetiche, por si, é uma palavra que remete a gostos pouco convencionais, e eu não faço nada fora do convencional. Sexo anal, que amo, pra mim não tem nada a ver com fetiche, assim como gozar na cara, engolir e etc.. Tudo isso pra mim sempre fez parte do sexo saudável!). 

Estes dois foram bloqueados sem resposta:
 Com este "estigou muito" o cidadão até poderia ser bonito e gostar do bom e velho sexo devasso sem fetichismo, eu bloquearia mesmo assim.
Mocinho com cara de criança jamais me apetecerão! 
Se eu servi pra professora algum dia, foi de Direito. 
Somente isso.

Abaixo estão dois sem noção que me contataram tarde da noite:

 Acima o cidadão que liga, não é atendido e chama no Whatsapp para tirar satisfação.
Além de mal educado, feio! Ah, me poupe! 
Não nascer bonito não é defeito, mas ser grosseiro e sem classe, é. 
Logo, pela ausência de educação aliada a falta de charme e beleza ganhou um bloqueio.


Homem quando não tem classe acusa a mulher que está sendo educadamente direta de "braveza". Homem sem fineza acha que você está insone, quando na verdade está assistindo filme e foi educada ao responder e ao dizer que estará na cidade dele em determinada data, já que não atendeu a sua ligação (de 23/06 a 27/06 estarei entre Cuiabá e Sorriso/MT)
Homem tosco e machista acha que pelo fato de você ser acompanhante, gostar de sexo e cobrar caro vai sair de casa de madrugada correndo para atende-lo, porque ele é "o ansioso", "o pica das galáxias", o "bonitinho"
Abusou da minha educação em responder vindo com "tenteada" barata pra cima de euzinha? Tomou um bloqueio!

Tenho total ojeriza a homem sem fineza e educação, como o cidadão abaixo:
Entre não "querer" ser algo e ser, existe uma grande diferença.

Por gostar de homens inteligentes tenho para lhes dizer que aqueles que tenho como clientes me procuram justamente pela elegância demonstrada em fotos. 
São os homens que gostam de fazer, não de falar. Meus clientes são homens que gostam de discrição em sites e na sociedade e devassidão na cama, o único lugar em que "putaria" é bem vinda. 
Gosto destes. Dos socialmente polidos e sem pudores no quarto. Os demais me repulsam.


Nenhum comentário:

Postar um comentário