Sobre o pálido ponto azul.

Sobre o pálido ponto azul.
"Nós podemos explicar o azul-pálido desse pequeno mundo que conhecemos muito bem. Se um cientista alienígena, recém-chegado às imediações de nosso Sistema Solar, poderia fidedignamente inferir oceanos, nuvens e uma atmosfera espessa, já não é tão certo. Netuno, por exemplo, é azul, mas por razões inteiramente diferentes. Desse ponto distante de observação, a Terra talvez não apresentasse nenhum interesse especial. Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto. É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas. Toda a nossa mistura de alegria e sofrimento, todas as inúmeras religiões, ideologias e doutrinas econômicas, todos os caçadores e saqueadores, heróis e covardes, criadores e destruidores de civilizações, reis e camponeses, jovens casais apaixonados, pais e mães, todas as crianças, todos os inventores e exploradores, professores de moral, políticos corruptos, "superastros", "líderes supremos", todos os santos e pecadores da história de nossa espécie, ali - num grão de poeira suspenso num raio de sol. A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto. Pensem nas crueldades infinitas cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes. Nossas atitudes, nossa pretensa importância de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo isso é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida. O nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica circundante. Em nossa obscuridade, no meio de toda essa imensidão, não há nenhum indício de que, de algum outro mundo, virá socorro que nos salve de nós mesmos. (...)" Carl Sagan

domingo, 15 de julho de 2018

Horas de prazer intenso para alegrar um sábado lindo!

Boa tarde adoráveis leitores e leitoras do meu Brasil!
Eis que ontem, entre 15h30min e 21 horas meu tatuador Eduardo (@ratanazatattoo cujo telefone celular e trabalhos estão postados no seu Instagram e vocês aferem com uma pesquisa no Google) fez uma roseira na coxa/perna direita para fazer companhia às petúnias da coxa esquerda.
Todavia, após acordar e comer minha deliciosa "fortaia" matinal quase ao meio-dia um adorável parceiro me contatou. Semana retrasada, antes de ir viajar,  ele queria ficar mais tempo comigo, "fugir para algum lugar", como fizemos certa vez, mas não foi possível, haja vista a gripe que me acometeu e judiou por dias e dias.
Eis que contatei o tatuador Eduardo, ele aceitou um atraso de uma hora e recebi o cavalheiro logo após o meio dia. 
Ficamos juntos aqui em casa por todo este tempo, estávamos mutuamente saudosos e ele excitadíssimo! Nos beijamos, ele tirou a roupa, eu tirei meu robe (não vestia nada por baixo) e o chupei por muito tempo na beirada da cama. Depois ele colocou-me deitada e me chupou até me fazer gozar e eu pedir para ele me comer.
Ele colocou a camisinha e veio sobre mim! Meteu na minha boceta variando entre o lento e o forte e sentindo-me gozar muito e, também, fazer squirts. 
"Sentou-se" na cama, encostado na parede e eu sentei no pau dele enquanto ele beijava meus peitos e admirava meu corpo, na sequência, entre mordiscadas no meu pescoço, fiquei de quatro e ele seguiu comendo minha boceta. 
Eu rebolava, praticamente pedindo-lhe para colocar no meu cuzinho. então ele, solícito, meteu no meu rabinho. Sentiu eu gozar seguidas vezes, inclusive molhando as pernas, na medida em que metia forte eu gozava mais e, assim, ele acabou gozando também.
Fui tomar uma ducha, voltei, tomamos água e conversamos sobre minha viagem ao RS, lançamento do segundo livro, problemas com gente preconceituosa e homens intelectualmente limitados. Falamos sobre vinhos, aeroportos e lugares de boa gastronomia, enfim, falamos, literalmente, "de tudo um pouco".
Após muito papo, gargalhadas e sorrisos tornamos a nos beijar e lá estava eu chupando-lhe e engolindo-o inteiro, saboreando-lhe. Ele falava sacanagens e, a meu pedido, colocou a camisinha, empurrou-me para trás e, sobre mim, meteu na minha boceta. Gozei assim, ele metia, falava coisas excitantes, mordiscava-me e me fazia ter mais orgasmos ainda. Colocou-me de lado, me masturbou, e tornou a meter na minha boceta! 
Depois pedi para ele sentar sobre mim de costas! Ele me fez gozar assim e, mais ainda de quatro, quando acabou gozando também. Tomei um banho, vesti-me, enquanto ele se arrumava e, depois ele me deu uma carona até o estúdio.
Mais tarde minha mãe foi me buscar! Dormi cedo e muito! Assim como hoje, quando, infelizmente, não pude encontrar-me com um lindo cavalheiro estrangeiro, pois estava com febre local e cansada. Não gosto de fazer nada quando não estou 100%! 
Bem, desejo à todos uma semana feliz e prazerosa como foi o início do meu final de semana!
Beijos de luz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.